01 a 05 de Junho de 2022
Complexo do Pacaembu, São Paulo - SP

Arte em Campo

Arte em campo é uma plataforma de intervenções artísticas no espaço do estádio do Pacaembu. Para 2022, a ArPa convidou a curadora Catarina Duncan para elaborar um projeto de ocupação expositiva e instalações públicas na praça Charles Miller, em parceria com mais de 10 galerias de todo país.

Na rua, no meio do redemoinho é o título provisório da mostra, emprestado do célebre romance Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa. A vida em si está no movimento, no próprio redemoinho, no caos e no encontro.

Essa proposta curatorial se relaciona com o espaço público como território em disputa, um espaço de diálogo e de formação. Uma encruzilhada de saberes, forças e formas, e nesse sentido, apresenta uma pletora de possibilidades e orienta a seleção das proposições artísticas reunidas. Serão apresentadas obras em grandes dimensões, comissionadas ou já existentes, mas que serão expostas de maneira inédita.

O objetivo do projeto é trazer para a feira de arte um espaço acessível, de construções pedagógicas e educativas, buscando, assim, estabelecer relações com os diversos públicos recorrentes da região, quer seja pelo futebol ou pela feira livre de alimentos. Tal proposta afirma o nosso compromisso com uma produção artística ampla e democrática, evidenciando que a potência da arte se realiza no fluxo dos atravessamentos.

Na edição anterior, em 2020, o projeto foi sediado dentro do Complexo Pacaembu, ocupando o campo de futebol do estádio, quadras de tênis, ginásio e piscina do clube, com obras de 53 artistas representados por 25 galerias. Ao longo de oito dias mais de 5.000 pessoas visitaram a ocupação artística no Complexo.

Curadora:

Catarina Duncan (Rio de Janeiro) atua como curadora com foco em práticas culturais e identidades territoriais da América Latina. Formada em Culturas Visuais e História da Arte pela Goldsmiths College, University of London (2010 – 2014). Atualmente é curadora do Solar dos Abacaxis. Em 2021 recebeu a bolsa de pesquisa curatorial da Fundação Patricia Phelps de Cisneros no MoMa com o projeto ‘Re-conexões territoriais’. Integrou a equipe curatorial da 32a Bienal de São Paulo, ‘INCERTEZA VIVA’ (2015 – 2016), do 36o Panorama de Arte Brasileira: SERTÃO (2019), do ‘Pivô Arte e Pesquisa’ (2014-2015) e da exposição ‘Terra Comunal Marina Abramovic’ no Sesc Pompéia (2015). Foi curadora da programação pública da obra ‘Cura Bra Cura Té’ de Ernesto Neto na Pinacoteca (2019) e da ‘Plataforma Crítica’ na Oficina Brennand (2020). 

Foi representante do projeto ‘Terceiro Paraíso’ de Michelangelo Pistoletto na América Latina (2019 – 2021) e do programa COINCIDÊNCIA da fundação suíça Pro Helvetia (2017 – 2020). Participou das residências artísticas ‘Arafura’ no México (2021), ‘Residents Art Dubai’ (2019), ‘Lastro Travessias Ocultas’ na Bolivia (2016-2017) e ‘Lastro Centro América’ na Guatemala (2015-2016). Assinou a curadoria das exposições ‘`A Construção’ (2020) e ‘Somos Muitxs(2018) com Bernardo Mosqueira e ‘Re-conhecimento‘ (2019) com DenilsonBaniwa no Solar dos Abacaxis, ‘dos nossos espaços vazios internos'(2019) de Gretta Sarfaty na Central Galeria, a coletiva ‘⦿‘ (2018) na Galeria Leme, entre outras.